Salta, Quebrada de las Conchas e Cafayate (Argentina)

Salta era um destino que eu planejava conhecer a alguns anos. Meu interesse pela cidade surgiu a partir dos comentários de alguns amigos sobre seu patrimônio histórico e de uma viagem que fiz a Mendoza. Minha viagem à Mendoza (para quem tem interesse, deem uma olhada clicando na palavra link) tinha uma escala em Salta e fiquei encantada pelas montanhas de cor terracota que rodeavam a cidade, paisagem bem típica de deserto. Mas para quem nunca ouviu falar deste destino, Salta é uma das mais importantes cidades do noroeste da Argentina com quase 600 mil habitantes. A base de sua economia está na agropecuária e na extração de petróleo e gás. No entanto, aos poucos a atividade turística tem crescido e a cidade tem explorado o turismo como uma fonte de renda e desenvolvimento.

Viajei para Salta com a Aerolíneas Argentinas. Embarquei em Puerto Iguazú (Argentina) e, apesar da turbulência, em quase duas horas já estava no destino final. O Aeroporto de Salta é pequeno, antiquado e possui um serviço muito lento. Precisa de uma reforma urgente!

Sobre os meios de hospedagem, Salta possui uma oferta limitada de estabelecimentos, mas se procurarem com atenção, encontrarão boas opções. Fiquei hospedada no Villa Vicuña Hotel Boutique. Para ser bem sincera, tenho um pouco de receio em escolher empreendimentos independentes, mas esse hotel pequeno, charmoso e localizado em um edifício histórico chamou minha atenção. O estabelecimento possui um serviço atencioso, personalizado e o café da manhã, mesmo não tendo uma grande variedade de produtos, oferece opções de ótima qualidade. E o melhor de tudo é a sua localização, há apenas duas quadras da Plaza 9 de Julio, o ponto central da cidade. Aprovado! Deem uma olhada na fachada do edifício e no apartamento.



Para este post, dividirei o texto em três itens. Explicarei cada uma das cidades que visitei e inclui um último item com dicas de viagem. Acredito que dessa forma entenderão melhor os atrativos e características de cada local.

Salta

É uma cidade onde é possível conhecer os principais atrativos a pé, pois eles estão localizados, basicamente, na região central, chamada de casco histórico. Cheguei a Salta com expectativas muito altas e admito que fiquei um pouco decepcionada, pois para quem conhece outras cidades latino-americanas com um pegada histórico-cultural como Bogotá, Cartagena, Lima, Quito e Ciudad de Panamá, o centro histórico de Salta não tem a mesma riqueza. De qualquer forma, comecei a visita na Plaza 9 de Julio, principal ponto da cidade e onde congrega os edifícios mais importantes de Salta como El Cabildo e a Catedral. É uma praça grande, com coreto, chafariz, enfim, tem tudo o que vocês esperam de uma praça clássica.


Na Praça, visitei El Cabildo. Este é o edifício colonial mais antigo da cidade (séc. XVIII). Já foi prefeitura, tribunal, prisão, sede do poder legislativo, e hoje congrega o Museo Histórico del Norte. O Museu traz informações sobre os primeiros habitantes da região, objetos, mobiliário, veículos e fotos que descrevem o período colonial, a guerra da independência e os primórdios da Argentina como uma nação. O museu é só ok; o acervo é pequeno, mas para quem tiver interesse na visita, o ingresso custa $20 (R$ 4,00). Segue fotos da fachada do Museu e de um dos pátios no interior do edifício.



Durante o passeio pelo centro visitei, ainda, o Convento de San Bernardo, um dos edifícios mais antigos da cidade, e as lindas Igresia de San Francisco e Iglesia Nuestra Señora de la Candelaria de la Viña. Abaixo disponibilizei fotos do Convento de San Bernardo e das coloridas Iglesia de San Francisco e da Iglesia La Viña.



fullsizerender-1

Andei pelos calçadões e me perdi pelas estreitas ruas do centro. Fazendo esse tipo de passeio é possível encontrar muitas lojas oferecendo produtos regionais como vinhos e alfajores e algumas preciosidades coloniais, como os edifícios abaixo.

Finalizei o passeio no Museo Güemes. O museu, localizado em uma casa história onde o General Martín Miguel de Güemes passou sua infância, apresenta de forma didática e inovadora a vida deste herói argentino, uma das pessoas mais importantes na independência do país. O museu é composto por 10 salas que mostram vídeos usando técnicas com efeitos cenográficos, luminosos, programas multimídia e apresentações audiovisuais. É bem diferente! Achei interessante pelo conceito do museu, mas também por mostrar um pouco mais da história do país. O museu custa $ 100 (R$ 20,00), mas só o recomendo para quem gosta de história ou queira se aprofundar no assunto. 



Vale ressaltar que Salta possui vários outros museus interessantes, portanto se tiverem um tempinho extra, não deixem de visita-los.

Quebrada de las Conchas e Cafayate

Este foi um tour de um dia que adquiri na Argentina4you (US$ 54). No entanto, há várias empresas de turismo em Salta que oferecem o mesmo passeio. Saí de manhãzinha em direção à Cafayate pela Ruta 68. Segue uma foto da estrada e da paisagem local.


A distância entre Salta e Cafayate é de 190 quilômetros, mas durante o percurso, o tour passou por um dos lugares mais lindos que eu já tive a oportunidade de conhecer, a Quebrada de las Conchas. A Quebrada é uma reserva natural no qual há formações rochosas de diferentes cores e formatos. A paisagem é de tirar o fôlego e quem está admitindo isso é uma pessoa que não é muito ligada em áreas naturais. Passamos por formações muito diferentes como La Garganta del Diablo, El Anfiteatro, Tres Cruces e la Yesera. Abaixo segue algumas fotos do caminho. Desculpem, dei uma exagerada nas fotos, mas é que não resisti. A primeira delas é da Garganta del Diablo e a segunda é do Anfiteatro.

IMG_0084




Nosso grupo chegou a Cafayate no horário do almoço. A cidade é muito típica, simples e pequena, mas é conhecida como a terra do sol e dos vinhos. Possui excelentes vinhos produzidos em altas altitudes e bodegas centenárias. Após o almoço visitei a Vasija Secreta, uma vinícola em operação há mais de um século que produz 850 mil litros de vinho ao ano. Entre as variedades de uva produzidas na região, chamou minha atenção a Torrontés, uma espécie típica argentina. Deem uma olhada na fachada da Vinícola e nos vinhos produzidos pela marca.



Os vinhos da região são mais frutados, gostei! Após a visita e degustação, o grupo retornou a Salta pela mesma estrada, revendo as lindas formações rochosas da Quebrada. É um passeio muito cansativo, mas vale super a pena.

Dicas de viagem

a) Gastronomia: Salta é conhecida por ter as melhores empanadas da Argentina, portanto, não deixem de prova-las. É possível encontra-las em qualquer restaurante ou boteco de esquina, mas se eu puder recomendar um lugar específico, indicaria o Restaurante Doña Salta (recomendação do recepcionista do hotel). Este restaurante tem uma vibe meio temático, com garçons usando vestimentas gaúchas e é especializado em culinária típica salteña. As empanadas, assadas em forno a lenha, são  pequeninas, mas MARAVILHOSAS!

Se vocês forem ainda mais aventureiros, experimentem outros pratos locais como as humitas (pamonhas salgadas), os tamales (pamonhas recheadas), o locro (um guisado feito com chorizo, milho branco, feijão branco, entre outros condimentos), a parillada (o típico churrasco argentino) e o popular sándwich de miga (sanduíche de presunto e queijo montado sob várias camadas de pão de forma sem casca). Experimentem as delícias salteñas acompanhadas com um bom vinho da região ou com a cerveja Salta, bebida local.

b) Souvenirs: A cidade oferece várias lojas de souvenirs que vendem um pouco de tudo, em grande parte, com referência andina. No entanto, em minha opinião, as lojas mais fofas são a Almandina e a Caschy. Ambas estão localizadas na Calle Caseros. Admito que não são as lojas mais baratas, mas é uma tentação para quem está procurando uma lembrancinha. Ahhh! Se estiverem buscando doces argentinos, recomendo El Gauchito Salteño (também na Calle Caseros), uma loja especializada em produtos locais. É um lugar simples, mas foi onde encontrei os melhores alfajores e conitos de Salta.

E assim terminou mais uma viagem. Viajar é sempre bom. É uma oportunidade de sair da rotina, conhecer novas culturas, novos costumes e valorizar a vida. Como destaquei no começo do texto, esperava um pouco mais de Salta, mas ao mesmo tempo, fiquei entusiasmada com a Quebrada de las Conchas. Também gostei muito da culinária salteña, repleta de massas caseiras, alfajores artesanais e a melhor empanada da vida. Continuo achando que os argentinos tem o pior gosto para sapatos do mundo (não tem jeito, lá eu encontro os calçados mais feios que vocês podem imaginar). E, se, por um lado, as pessoas não são as mais bonitas, acho que são as mais abertas e simpáticas que já conheci na Argentina.

¡Hasta luego!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.