Voltando ao Chile (Santiago, Viña del Mar, Valparaíso e Valle Nevado)

Era uma vez uma menina simples, persistente, feliz com as escolhas e conquistas que tinha alcançado na vida (mesmo que ainda tivessem sido poucas), que já conhecia grande parte do Brasil, mas com pouquíssima experiência internacional (excluindo algumas incursões em cidades fronteiriças). Era fã de viagens aéreas e aeroportos, tinha poucas expectativas e sonhos para o futuro, mas era curiosa, aficionada por história e cultura e possuía uma vontade enorme de aprender. Em 1998, no feriado da Páscoa, ela decidiu realizar sua segunda viagem internacional; desta vez, visitaria o Chile. No entanto, por mais que tivesse aproveitado o destino e aprendido um pouco mais sobre a cultura latino-americana, ela achava que o país não tinha a conquistado completamente. Vinte anos se passaram e essa menina se tornou uma mulher; muito mais segura, mais decidida, mais corajosa e exigente e com uma grande experiência e bagagem cultural. Neste espaço de tempo, ela teve o privilégio de visitar mais de 30 novos países por diferentes continentes e incontáveis cidades. Mesmo assim, ela decidiu voltar ao Chile para ver o destino sob um novo ponto de vista, ela queria saber se teria as mesmas impressões e sensações que teve na sua primeira visita. Começo esse post dividindo essa história muito pessoal, pois foi esse o motivo que me fez voltar ao Chile neste último feriado. E são essas novas experiências e visão que trago para vocês hoje.

O Chile é uma república localizada na América do Sul, um dos poucos países sul-americanos a não ter fronteira com o Brasil. É um território estreito (tem apenas 175 quilômetros de leste a oeste) e muito comprido. É considerado um país ilhado (nunca tinha visto o Chile por este ângulo), pois tem o Deserto do Atacama ao norte, a cordilheira do Pacífico a oeste, a cordilheira do Andes a leste e as geleiras da Patagônia ao sul. A moeda nacional é o peso chileno (R$ 1,00 175.00 CLP) e sua economia está baseada na exportação de minérios, em grande parte o cobre e o lítio; frutas, vinhos e pescados. Contudo, aos poucos o Turismo tem se inserido como um setor representativo na economia local. É um dos mais estáveis e prósperos países da América do Sul, com alto índice de desenvolvimento humano, qualidade de vida, estabilidade política e liberdade econômica.

Viajei para o Chile com a Gol. Embarquei em São Paulo e cheguei à Santiago em 4 horas (na verdade foram 5 horas e 20 minutos, pois houve um atraso gigantesco durante o percurso). Ainda falando sobre voo, foi a minha primeira viagem internacional com a companhia aérea Gol. Por um lado, fiquei contente ao constatar que as aeronaves utilizadas neste trecho são novas, mas o serviço de bordo precisa ser repensado. Durante o voo de ida, o atendimento foi muito frio e as opções de jantar eram apenas lasanha de berinjela e carne de porco. Sério?! Minha dica é, Gol, por favor, seja mais democrática na oferta gastronômica de seus voos internacionais, mesmo que sejam de curta duração. O Aeroporto de Santiago está defasado, mas estão construindo um novo aeroporto em frente ao antigo terminal, portanto acredito que em pouco tempo a nova estrutura estará preparada para o crescente turismo receptivo do país.

Algumas dicas para viajantes de primeira viagem: Comparado a outros países latino-americanos como o Peru e a Colômbia, o Chile é um país caro. Transporte, passeios, comida, tudo é caro, mais caro que o Brasil. Portanto, não fiquem tão empolgados achando que vão comprar tudo que vem pela frente, pois o rombo no cartão de crédito poderá ser alto. Segunda dica: Caso queiram comprar pesos chilenos, recomendo que viajem com reais e troquem a moeda brasileira nas casas de câmbio do centro de Santiago onde as cotações são mais vantajosas. O comércio em geral não aceita reais ou dólares americanos e, quando aceita, as cotações não são das melhores, então prestem atenção.

Fui à Santiago decidida a me hospedar em um hotel bacana e admito que a cidade oferece boas opções para os viajantes. Pensando na tríade localização/ custo/ benefício, escolhi o Hotel Cumbres Lastarria. O empreendimento é bem moderno, com uma pitada de design, os quartos são confortáveis, espaçosos e a localização é ótima, próximo de restaurantes, dos principais pontos turísticos da cidade e do bairro Bellavista, uma região boêmia de Santiago. O único ponto negativo é a falta de manutenção em alguns quartos. Havia um vazamento no teto da minha ducha (vocês poderão ver com mais detalhes no vídeo que anexei abaixo) e mesmo alertando a recepção sobre o problema, não me colocaram em outro apartamento e nem recebi um pedido de desculpas pelo inconveniente. De qualquer forma, recomendo o empreendimento, pois no geral o hotel é muito bom. 

Mas vamos ao que interessa, à viagem em si.

1º Dia – Santiago do Chile

Fizemos um tour com os tradicionais ônibus turísticos. Eles percorrem os principais pontos de Santiago; são treze paradas e é uma ótima oportunidade para ter um dimensionamento da cidade. O ônibus que tomamos é administrado pela Turistik (acho que é uma das maiores empresas turísticas da cidade) e funciona muito bem. Passamos por vários bairros como Santiago Central, Providencia, Las Condes, Bellavista, entre outros, e pelos principais atrativos como a Plaza de Armas (onde fica a Catedral), a Plaza de la Constitución (ponto que abriga o Palácio de la Moneda), o Cerro de Santa Lucía e o Cerro San Cristóbal. Segue abaixo uma foto da Catedral de Santiago.

Minha paixão por Santiago foi sacramentada neste passeio. Como a cidade é linda! Não me lembrava desse detalhe (que de detalhe não tem nada!). É moderna, mas com pitadas de história, é organizada, aconchegante, oferece uma infraestrutura incrível e tem uma beleza cênica sem igual (está situada entre duas cordilheiras, a cordilheiro do Pacífico e a cordilheira dos Andes, então vocês veem montanhas por todos os lados). Enfim, na minha opinião é a cidade mais bonita da América do Sul. Para quem tem interesse neste ônibus é possível tomá-lo nos principais pontos turísticos ou shoppings da cidade. Há dois tipos de tickets; o mais simples custa 23.000 CLP e dá direito a paradas em todos os pontos do tour. Há também o ticket premium que custa 30.000 CLP; além do trajeto de ônibus, este tipo de bilhete inclui o passeio de funicular no Cerro San Cristóbal e ticket do teleférico. Eu adquiri o tour mais barato e o recomendo, pois mesmo que vocês tenham interesse em andar de teleférico e de funicular, o valor dos dois passeios comprados individualmente fica abaixo dos 7.000 CLP cobrados a mais pelo ticket premium. Passeio bacana e vale super a pena! Segue abaixo algumas fotos da cidade. A terceira foto é uma panorâmica de Santiago a partir do Cerro San Cristóbal. Dá para ver a cordilheira ao fundo.

À noite, jantamos na Calle Constitución em Bellavista, onde há diversos restaurantes turísticos.

2º Dia – Viña de Mar e Valparaíso

Compramos um tour de um dia com a TurisTour (36.000 CLP) para conhecer estes dois destinos. Na minha primeira visita ao Chile, eu fiquei encantada com o cuidado de Viña de Mar e tinha achado Valparaíso bem ok. Queria ver se minha impressão sobre os locais mudaria nesta visita, vinte anos depois.

Para quem não sabe, Viña del Mar está a pouco mais de 100 quilômetros de Santiago e é uma cidade litorânea conhecida por sua praia, pelo festival de música e pelo cassino. Já Valparaíso está localizada ao lado de Viña del Mar e possui o principal porto do país. O Porto tem uma história interessante, pois durante muito tempo foi o mais importante porto do Pacífico, já que todos os navios da costa leste dos Estados Unidos que viajavam para a costa Oeste, precisavam dar a volta pelo sul da América do Sul e o Porto era parada obrigatória neste trajeto. A cidade, que teve uma grande imigração europeia nos séculos XVIII, XIX e começo do século XX, se desenvolveu por conta desta vantagem competitiva geográfica. No entanto, com a abertura do Canal do Panamá, em 1914, Valparaíso perdeu sua posição estratégica o que gerou declínio populacional e recessão econômica, mas a cidade conseguiu se reerguer. Hoje é conhecida como um destino estudantil, devido ao considerável número de universidades, é a sede do poder legislativo do Chile, bem como de outras repartições estatais. Seu setor histórico é tombado como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO desde 2003.

Passamos a manhã em Viña del Mar e devo admitir a cidade não me pareceu tão charmosa como estava em minha memória. Achei-a só ok e o mar estava muito bravo, sinceramente eu não teria coragem de entrar na água. Segue algumas fotos de Viña del Mar. A segunda foto é do Cassino.

No período da tarde fomos à Valparaíso. Visitamos a pé as casas coloridas cobertas de alumínio tombadas como Patrimônio Histórico; andamos por um dos 10 funiculares em funcionamento na cidade e terminamos o tour no Porto. Como da primeira vez, a cidade também não me impressionou. Admito que há alguns edifícios lindos, as antigas casas tombadas hoje se transformaram em um comércio hipster cheio de hotéis boutique, hostels, cafeterias e restaurantes, e os grafites estão colorindo muito pontos da cidade; mesmo assim, Valparaíso continua só ok no meu coração. Segue abaixo algumas fotos das casas históricas e da região do porto.

De qualquer forma, gostei de ter voltado às duas cidades e também recomendo este passeio para quem quer conhecer um pouco mais sobre o país. 

À noite, voltamos à Calle Constitución para jantar em um dos vários restaurantes da região.

3º Dia – Valle Nevado

Esse era, sem dúvida, o tour mais aguardado da viagem, pois seria minha primeira vez em Valle Nevado e achei que eu ia dar uma de Elza do filme Frozen. Estava pronta para escalar a neve e fazer skibunda. Comprei um tour de 5 horas com a Turistik (a mesma empresa que opera o ônibus turístico de Santiago – 32.000 CLP). O tour foi muito legal, pois subimos a Cordilheira dos Andes até chegar à 3.500 metros de altitude. A subida é linda, pois é toda cortada por montanhas (deem uma olhada na foto abaixo), mas é sofrida. Subir a cordilheira tão rápido nos deixa sem ar, dá enjoo, dor de cabeça, uma zonzeira, mas vale a pena. O mais legal do caminho foi ver umas vaquinhas “ninja” que “escalavam” a cordilheira procurando pasto. Como certeza elas estavam achando que eram lhamas ou vicuñas e nem ligavam para os ciclistas corajosos ou para os vários carros no caminho.

A minha tristeza foi que eu estava toda trabalhada no agasalho para “brincar na neve”, mas descobri que a neve só aparece a partir do mês de julho. A Estação de Ski estava aberta para trilhas e tinha até uma competição de bicicletas, mas apenas um restaurante estava em funcionamento e todos os resorts fechados. Tudo bem, Valle Nevado é lindo de qualquer jeito e pude ver, nem que seja de longe a neve no Cerro El Plomo. Segue abaixo uma foto do meu look “Barbie na Neve” com a montanha nevada ao fundo (bem lá no fundo). Também anexei uma foto de parte das cordilheiras onde vimos um show dos condores.

4º Dia – Santiago do Chile

Para fechar minha viagem ao Chile, não poderia deixar de fazer um Free Walking Tour. Na verdade, eu tinha planejado esse passeio no meu primeiro dia em Santiago, mas imprevistos acontecem. De qualquer forma, o tour, mesmo que no último dia, foi maravilhoso para entender um pouco mais da cidade. Optei pela Free Tour Santiago; eles oferecem tours todos os dias em Inglês e Espanhol às 10h e às 15h com saídas em frente à Catedral. É muito fácil identificar os guias, pois eles estão vestidos com uma camiseta vermelha. O conceito é muito simples, eles oferecem o melhor tour que eles podem e vocês decidem quanto vale o passeio. O tour dura 4 horas, mas é tranquilo, vocês podem sentar em alguns pontos e há 30 minutos de descanso durante o percurso. É explicado um pouco de tudo, desde a história colonial do país, muito semelhante à história de outros países latino-americanos, à história contemporânea. Eles comentam, inclusive, pontos polêmicos como a grande quantidade de cachorros de rua em Santiago e a possibilidade da legalização das drogas no país. Muito, mas muito legal, super recomendo! Segue abaixo algumas fotos tiradas durante o passeio. A última foto é do Palácio de la Moneda, o palácio presidencial.

E assim terminou mais uma viagem. Fiquei encantada com o Chile, principalmente com Santiago. É um país com uma infraestrutura impressionante, com pessoas nas ruas a qualquer hora do dia. De povo simpático, comida farta e deliciosa, o Chile me agraciou com um tempo perfeito; céu incrivelmente azul e muito sol. Depois desta experiência, fiquei tentada a voltar a outros lugares que não visito há muito tempo. Quem sabe com essa nova visão não passo a me apaixonar por destinos que em um primeiro momento não me chamaram tanto a atenção. E vocês, se animaram a visitar o Chile? Tenho certeza de que não se arrependerão.

Ahhh! Agora também virei Youtuber. Fiz um vídeo amador sobre esta viagem (meio tabajara). A resolução das imagens não está das melhores, as imagens ficaram tremidas, pois foram feitas pelo meu celular e consegui me filmar no pior ângulo possível, mas relevem, foi a primeira tentativa de um vídeo. Apresento um pouco do voo, toda a estrutura do hotel, inclusive mostro o rombo no teto do chuveiro, filmei também alguns dos passeios. E o melhor de tudo é que este vídeo foi amavelmente editado pelo meu sobrinho de apenas 8 anos. Se assistirem o vídeo, deem um 👍🏻 para me incentivar a fazer outros. Prometo que os próximos sairão mais profissionais.

¡Hasta luego!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.