Realizando um sonho – Charleston e Savannah (Estados Unidos)

Hey y’all! Sejam bem-vindos a mais um post. E esse é um relato muito especial, pois é a realização de um sonho. Em vários momentos aqui no Blog contei que tenho um ranking de lugares que sonho conhecer. Claro que nestas últimas décadas tive a oportunidade de visitar muitos deles, mas ainda tenho alguns destinos guardados na minha cabeça e no meu coração. Uma das viagens dos sonhos, e vocês podem achar um tanto quanto esquisito, pois não é um destino tradicional entre os brasileiros (se bem que eu não sou uma viajante óbvia, se vocês ainda não perceberam), era conhecer o sudeste dos Estados Unidos, especificamente as cidades de Charleston no estado da Carolina do Sul e Savannah na Geórgia. Minha vontade de conhecer estes dois destinos estava relacionada ao meu fascínio por história, pois elas tiveram papel importante na Guerra da Independência e Guerra Civil Americana, e por estas cidades terem sido pano de fundo de vários filmes que eu amo. Admito que este era um sonho que no fundo, lá no fundo, achei que nunca se realizaria, mais aqui estou eu, contando minha experiência em um dos lugares mais encantadores e hospitaleiros que já visitei.

Só para constar, não há voos diretos saindo do Brasil para Charleston ou Savannah. Para chegar a estes destinos é necessário fazer conexão em algum outro ponto dos Estados Unidos. Eu aconselho procurar Miami (o hub mais ao sul do país) e de lá viajar ao destino final, pois é a maneira mais prática. Voei com a Avianca que agora está operando voos diretos de São Paulo para Miami e Nova York; vou dizer que o voo foi só ok. O aeroporto de Charleston, onde comecei meu tour americano, é pequeno, mas tão fofo! Moderno, suficiente para a demanda local e muito, mas muito arborizado. Achei que tivesse chegado ao Havaí (como se eu soubesse como são os aeroportos do Havaí!).

Vou descrever esta viagem destacando cada cidade. Contarei um pouquinho sobre o destino em si, salientando alguns atrativos e farei um compilado de outros (porque visitei muita coisa). Finalizarei com um parecer geral sobre o que eu achei do local e com dicas para quem tiver interesse. Já vou adiantando que esse post está gigante e terá muitas fotos. Os lugares são tão lindos que não consegui escolher qual era a melhor imagem para postar.

Depois desta longa explanação, vamos aos destinos…

Charleston

É uma cidade localizada no estado da Carolina do Sul. Foi fundada em 1670, possui pouco menos de 130.000 habitantes e foi importante historicamente, entre outras razões, por ter sido a cidade mais rica da colônia britânica na América. Seu nome foi dado em homenagem ao rei Carlos II da Inglaterra, “Charles Towne” (a cidade do Charles) e foi palco de duas importantes batalhas da história americana, a Guerra da Independência e a Guerra Civil, também conhecida como Guerra da Secessão. Por muito tempo a economia da cidade foi baseada em seu porto, que, durante um grande período, recebeu escravos africanos que chegavam ao território americano. Para terem uma ideia, 40% de todos os escravos trazidos aos Estados Unidos chegaram ao continente por Charleston. Mas a economia da região também foi baseada na agricultura, basicamente no plantio de algodão. Parte das propriedades se transformaram em fazendas históricas abertas à visitação. A cidade é linda, linda, linda! Fiquei apaixonada desde o momento que eu cheguei. Juro! Nenhuma foto ou vídeo que eu mostre vai capturar completamente a beleza do lugar. Muito tranquila, muito florida, muito ensolarada, tudo perfeito. Já estava olhando imóveis e pensando qual deles poderia ser meu (nenhum, óbvio! As casas custam a partir de US$ 1,2 milhão), mas enfim, estava em um estado de encanto.

Fiquei hospedada no Bluegreen Vacations King Street Resort e foi uma ótima escolha. Localizado na King Street, uma das principais ruas da cidade, esta área está um poucos afastada do comércio, mas próxima de restaurantes descolados (juro, nunca vi tantos restaurantes lindos em uma mesma área na minha vida!) e tem um conceito de flat. Meu apartamento tinha cozinha completa e sala com lareira; poderia ter levado a família toda. Recomendado!

Durante o passeio fiz os seguintes programas:

Free Walking Tour – Toda vez que visito uma cidade opto por fazer este tour. É um passeio andando pelos principais pontos da cidade. Em Charleston optei pela empresa Free Tours by Foot que são tours guiados sem preço fixo, portanto vocês pagam quanto acham que vale o passeio, no entanto é cobrado no ato da reserva o valor de US$ 3 correspondente a taxa municipal. Fiz o Historic Charleston, mas a empresa oferece outros passeios e o tour foi muito, muito bom! Durante pouco mais de 2 horas passamos pelos seguintes pontos: The French Quarter, Four Corners of Law, Rainbow Row, St. Phillip’s Episcopal Church, French Huguenot Church, Charleston City Market, Dock Street Theater (o primeiro teatro do sul dos Estados Unidos; as visitas ao interior do espaço podem ser feitas gratuitamente e sem agendamento prévio), Old Slave Mat Museum, Old Exchange Building e Waterfront Park. O tour sai alguns dias da semana (verificar o calendário na homepage da empresa) às 09h30 na esquina da Church Street com a Linguard Street, perto do Tommy Condon’s Restaurant. É necessário reservar com antecedência e o único problema é que os tours são oferecidos apenas em Inglês, mas recomendo demais! Segue abaixo fotos do Dock Street Theater, do Rainbow Row e a última foto é da casa mais antiga de Charleston.

img_1345

Old Slave Mart Museum – Funciona desde 1938 e é o primeiro museu afro-americano. Era o antigo mercado de escravos de Charleston e conta a história da escravidão negra no continente americano. Ele é pequeno, mas muito informativo. Uma das muitas coisas que me chocaram foi saber que um escravo, nos dias atuais, custaria entre US$ 30.000 a 40.000 (valores de 2017) e a grande maioria das pessoas tinha apenas um escravo, pois era “uma mercadoria” (sinto-me horrível escrevendo isso, mas era como os viam) valiosa e o valor dependia do gênero, idade e porte físico. De acordo com meu guia, os Estados Unidos recebeu, durante o período de escravidão negra, em torno de meio milhão de africanos. No início achei esse número muito pequeno, mas de acordo com dados do museu, os Estados Unidos recebeu menos de 4% de todos os negros trazidos à América. Em contrapartida, o Brasil recebeu quase 40% de todo esse montante. A vinda de negros ao país foi proibida em 1808, mas ainda perdurou o comércio de escravos negros (neste caso, escravos americanos) por várias décadas. Fiquei muito triste ao constatar que o Brasil foi último país das Américas a abolir a escravatura. Todavia, fiquei entusiasmada ao ver que entre os negros proeminentes nas Américas, o Museu conta a história e a genialidade de Aleijadinho. É um espaço pesado, muito informativo e com poucos artefatos, mas achei-o importante para que possamos aprender com nossos erros e deixemos de ver o ser humano de uma maneira tão mesquinha. O ingresso custa US$ 8, mas para quem faz o Free Walking Tour, a entrada sai por apenas US$ 4. Segue uma foto da fachada do Museu.

Boone Hall Plantation & Gardens – Como eu havia comentado no início do post, muitas das fazendas históricas de algodão hoje estão abertas ao público. Existem várias lindas fazendas para visitar como a Magnolia Plantation & Gardens, MCleod Plantation Historic Site, Drayton Hall, Charleston Tea Plantation, entre outras. No entanto, por indicação de uma taxista e por ter servido como locação e inspiração para o filme “E o Vento Levou”, um dos meus filmes preferidos da vida, escolhi conhecer a Boone Hall. Na verdade, a propriedade serviu de locação para várias séries e filmes como “O Diário de uma Paixão” e foi o local escolhido para celebrar o casamento de Blake Lively (atriz de Gossip Girl) com Ryan Reynolds (ator de Deadpool). Boone Hall fica a uns 20/30 minutos do centro de Charleston e não há transporte público para chegar até o local, portanto o negócio é chamar um Uber amigo ou um táxi. O valor da entrada é de US$ 24 e dá direito a fazer todos os passeios: conhecer a Slave Street, a antiga vila dos escravos que trabalhavam na fazenda, visitar o interior da casa principal e pegar uma carroça adaptada puxada por um trator para conhecer a propriedade, que hoje se dedica ao turismo e ao cultivo de frutas e produção de mel. É um passeio lindo, muito prazeroso. Minha recomendação é tirar umas 3 horas do dia para ter tempo de conhecer tudo. Olhem as fotos da propriedade.

House Museums – Um dos atrativos imperdíveis em Charleston é conhecer as antigas casas da aristocracia sulista e ver como moravam estas pessoas no século XIX. A cidade oferece vários museus com esta pegada. Visitei o Aiken-Rhett House (US$ 12), o Calhoun Mansion (US$ 17) e Nathaniel Russell House (US$ 12). Em termos de arquitetura e história, as três casas são incríveis, no entanto, a Aiken-Rhett infelizmente está bastante deteriorada; a sensação é que seu interior continua intacto, sem um restauro há 150 anos. A segunda é um desbunde de linda. A casa histórica mais impactante que já conheci, mas nenhum dos móveis e decoração são originais do local, além dos lustres Tiffany (que já são de tirar o fôlego). A terceira é legal, linda estrutura, mas os móveis também não são originais da casa. Portanto, se vocês puderem e tiverem interesse de conhecer as três, visitem-nas. No entanto, se escolherem apenas uma, minha indicação é a Calhoun Mansion. Segue abaixo uma foto da Aiken-Rhett House, da Calhoun Mansion e da Nathaniel Russell House.

Dicas – A melhor dica que eu posso dar para vocês é andem muito! Se percam pelas ruas. Conheçam cada um dos bairros, vejam os detalhes das casas, entrem nas lojas de decoração, tão lindas e de um bom gosto absurdo e nos antiquários (tive muitos peripaques. Os primeiros quando me apaixonava por alguma peça histórica e depois quando descobria como era cara). Também não deixem de visitar a College of Charleston (o edifício central pode ser visto na foto abaixo), uma das mais antigas universidades dos Estados Unidos. Linda! Os departamentos, alojados em edifícios históricos são de cair o queixo. Tão perfeita que parece um pedaço da Disney! E não deixem de experimentar um dos maravilhosos restaurantes do final da King Street. Segue algumas fotos para vocês captarem o espírito da cidade.

Para viajar de Charleston à Savannah, se vocês não alugaram um carro, podem optar pelo ônibus, pelo trem ou pela van. O ônibus e o trem são as opções mais baratas, mas as estações ficam distantes do centro histórico e os horários disponíveis são incômodos. Optei pela van. Comprei os ticket com a Ace Basin Express (US$ 52 o trecho com impostos) e gostei do serviço. Além deles nos pegarem e nos deixarem nos hotéis escolhidos, a van é nova, cômoda e ótimo atendimento. 

Savannah

Fundada em 1733, foi a primeira capital colonial da Geórgia. É conhecida como uma das primeiras cidades planejadas da América com 24 quadras (na qual ainda restam 22) e atrai visitantes por sua arquitetura, história e estrutura. A cidade possui quase 150.000 habitantes e hoje o centro de Savannah é um dos maiores distritos históricos nacionais dos Estados Unidos. A princípio não tive muita sorte em Savannah. Logo de cara peguei uma tempestade, achei o Píer (um dos principais atrativos da cidade) feio, sujo e esquisito e não fui feliz na escolha do meu hotel, mas passando o susto inicial, tenho que admitir que Savannah é outra cidade mágica. Tanto Savannah como Charleston tem a mesma pegada; cheia de casas históricas bem cuidadas, restaurantes e lojas descoladas, mas enquanto Charleston te conquista pelas flores, Savannah te atrai pelas praças e arborização.

Fiquei hospedada no B Historic Savannah, um dos meios de hospedada da rede americana B Hotels & Resorts. Por mais que o hotel fique no começo do centro histórico, próximo dos principais atrativos e as áreas sociais sejam muito bonitas, espaçosas e bem decoradas, é visivelmente um antigo meio de hospedagem reformado. Tive que solicitar a troca do meu apartamento três vezes até ficar satisfeita. Portanto, eu não o recomendaria, a não ser pelo preço. Segue abaixo uma foto da fachada e de um dos espaços sociais.

Free Walking Tour – Escolhi a Free Savannah Tours que oferece passeios pelo centro histórico todos os dias às 09h30 e às 10h30 com saída na Johnson Square. Durante 1 hora e meia o guia nos leva pelas ruas de Savannah, mostrando a cidade antiga e passando pelas praças com suas árvores centenárias. É contada a história da criação da Geórgia e, respectivamente de Savannah; dos tempos coloniais com o comércio de pinheiros, o porto e as fazendas de algodão; a rivalidade com Charleston, os tempos de guerra, prosperidade e os dias atuais como cenário de inúmeros filmes e destino turístico. O tour é interessante, mas acho que o guia perde muito tempo contando a história da cidade e pouco tempo mostrando os atrativos em si. Passamos por pouquíssimas praças, não visitamos o píer, enfim, foi legal, mas esperava mais. Por esta razão, recomendo o tour para que acabou de chegar à cidade. Depois, caso queiram conhecer todos os pontos da região histórica, peguem o Old City Trolley Tour, pois este ônibus (na verdade há várias empresas que fazem o mesmo passeio) percorre as principais ruas contando um pouquinho de cada local. Ahhh! O Free Walking Tour em Savannah também requer reserva antecipada; custa um mínimo de US$ 2,18 (taxa municipal) e é oferecido somente em Inglês. Segue uma foto do City Hall (Prefeitura) e de uma das lindas praças da cidade.

American Prohibition Museum – Localizado na City Market, trata sobre a lei seca nos Estados Unidos. É super temático e conta de maneira muito visual e divertida sobre esse capítulo da história americana. Adorei e recomendo! O ingresso custa a partir de US$15.

House Museums – E a “louca do museu” contra-ataca. Assim como Charleston, um dos atrativos imperdíveis em Savannah são as antigas casas da aristocracia sulista. Durante meu período visitei: o Harper Fowlkes House (US$ 12), o Owens-Thomas House (US$ 21,40) e o The Mercer Williams House (US$ 13,78). A primeira casa foi a que eu mais gostei, mas caso vocês precisem escolher apenas um local, escolham o Owens-Thomas House, pois o ingresso dá direito a visita em outros dois museus, o Telfair Academy (muito interessante, pois a antiga casa da família Telfair foi transformada em um museu, o mais antigo do sul do país) e o Jepson Center. O que eu menos gostei foi o Mercer Williams House, mas a propriedade tem uma história tão boa que eu recomendo que vocês pesquisem sobre ela. Na verdade, a história se transformou em um filme, “Meia-Noite no Jardim do Bem e do Mal”, dirigido por Clint Eastwood. Há também outras casas interessantes e muitas delas oferecem tours que contam as histórias dos fantasmas de Savannah, pois a cidade tem fama de ser mal-assombrada. Segue fotos das fachadas da Harper Fowlkes House, da Owes-Thomas House, da Telfair Academy e da the Mercer Williams House.

Dicas – Assim como em Charleston, a melhor dica que eu posso oferecer é andem muito! Se percam pelas ruas, conheçam cada uma das praças, vejam os detalhes das casas, entrem nas lojas de decoração e nos antiquários. Também não deixem de visitar o Forsyth Park, almoçar no Olde Pink House, uma das casa mais antigas da Geórgia, e experimentar um sorverte da Leopold´s, uma das sorveterias mais tradicionais dos Estados Unidos. Achei o Píer um lugar bem dispensável, mas se as perninhas estiverem boas, recomendo uma passada no Victorian District. Segue abaixo a fonte, a região da Forsyth Park e as casas do Victorian District. A última foto é do Olde Pink House.

Estou quase terminando, juro! E assim finalizo mais uma viagem. Voltei dessa jornada cheia de amor no coração. Além de ter visitado duas cidades encantadoras, conheci muita gente atenciosa, amorosa e gentil. Muitos brasileiros tem a impressão de que os americanos são pessoas prepotentes, rudes e esnobes e pela minha experiência (já estive 10 vezes nos Estados Unidos), posso dizer que eles são completamente o oposto disso. É claro que há pessoas ruins, mas eles não representam a população como um todo. E no Sul, eles ainda não mais abertos e acolhedores. Senti-me a mulher mais bonita e estilosa da região. O mais interessante é que essa gentileza contagia; todos os dias eu transmitia esse bom humor, essa amabilidade e educação às pessoas a minha volta ou quem eu encontrava pelo caminho. Enfim, mais um sonho realizado e volto com o coração recheado de boas recordações. Agora é hora de descansar um pouco, botar a vida em ordem e planejar a próxima aventura.

É claro que não podia deixar de filmar tudo para vocês. Caso tenham interesse em ver mais imagens destes dois destinos ou mais informações sobre a viagem, assistam meu vídeo no Youtube. Mesmo ainda muito tímida e achar que a câmera me deixa um pouco fanha e muitos anos mais velha, estou tomando gosto pela oportunidade de levar vocês comigo.

See you later!

2 comentários sobre “Realizando um sonho – Charleston e Savannah (Estados Unidos)

    1. Obrigada Goldseeker pelo esclarecimento. Não me lembro de ter abordado especificamente sobre isso, a não ser ter dado uma passada muito geral sobre essa parte da história, até porque não sou especialista no assunto, mas é sempre bom ter mais conhecimento sobre os Estados Unidos e o que eu estou visitando. Um abraço,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.